Chapeuzinho Vermelho

Numa casa de madeira, ali perto do riacho, no meio da clareira, morava uma doce menina, sua mãe e seu pai lenhador. A menina era chamada de Chapeuzinho Vermelho, pois quase nunca largava a capa de capuz vermelho, feita pela querida vovó para a netinha preferida.
Até mesmo quando a capa estava muito suja, ela própria se ajoelhava à beira do riacho para lavá-la e depois a colocava novamente sobre as costas e a cabeça.
– Chapeuzinho! – ralhava a mãe, enquanto olhava com carinho para a filha.
– Tá limpa! – respondia pingando.
Um dia a vovó adoeceu, e sua mãe preparou pão, bolo, colheu frutinhas dos arbustos, separou uma garrafa de manteiga e meteu tudo numa bonita cesta trançada. O pai lenhador pôs na cesta uma garrafa de vinho para que a velha senhora tivesse uma doença mais feliz.
– Eu levo pra vovó, eu levo! – animou-se a menina.
– Não sei, filha, a estrada corta a floresta, pode ser perigoso. – Disse a mãe. – Seu pai vai levar antes do trabalho.
– Vovó vai ficar mais feliz se eu for.
O casal sorriu e consentiu que a menina levasse a cesta.
Chapeuzinho saiu serelepe pela estrada, e enquanto cantarolava e cheirava as flores primaveris, enquanto ouvia os ecos dos machados nos troncos, não notou, nas trevas mais ao fundo, a criatura hedionda que acompanhava cada passo seu.
Ouviu, a menina, um psiu de entre as árvores.
: – Oi?
– Para onde vai tão animada, pequena princesa de capa vermelha? – perguntou o lobo, chegando perto da estrada.
O lobo era grande e tinha longos pêlos bagunçados. Suas costas eram curvas, suas pernas eram finas, seus olhos amarelos eram imensos, suas garras eram curvas e sujas, e seu focinho comprido exibia vários dentes tortos.
– Vou à casa da vovó, é claro. Onde mais uma garotinha como eu poderia ir?
– Está levando presentes para a vovó?
– Ela está doente, então levo boa comida para que ela fique melhor. Ela quem me fez essa capa.
– É muito bonita, é adorável. Diga-me, sua vovó mora longe daqui?
– Não muito, é a primeira casa da aldeia, uma casa bem bonitinha, de janelas redondas e chaminé baixinha.
– Ela é uma senhora de muita sorte por ter uma neta como você. Acredito que logo, logo ela não estará mais doente.
– Obrigada.
– Tenha um bom dia.
– Igualmente!
Enquanto o lobo se afastava, Chapeuzinho, encantada com a gentileza das criaturas, seguia cantarolando e colhendo flores para enfeitar a cesta da vovó. Mas o lobo não foi embora para o meio da mata. Não, ele pegou um atalho e entrou na casa da vovó muito antes de Chapeuzinho.
Quando a menina finalmente chegou à casa da querida velhinha, se anunciou animada e ouviu que a porta estava aberta.
Chapeuzinho entrou e notou logo enfeites caídos. Também havia uma mesinha caída. E livros caídos. E sangue no sofá virado!
: – Vovozinha? O que aconteceu? Por que está tudo tão bagunçado? – perguntou a menina, andando devagar em direção ao quarto.
– Eu senti que você vinha me visitar, minha neta, e dancei de alegria.
– E por que tem sangue no sofá?
– Foi da tosse. – E tossiu latido.
– Por que está com essa voz?
– Estou rouca, Chapeuzinho.
Chapeuzinho Vermelho chegou ao quarto e viu o lobo disfarçado de vovó enfiado em várias cobertas.
: – Essa cestinha florida é para mim?
– Vóvó… – a menina começou a tremer e sentiu água nos olhinhos. – Vovó, por que seus olhos estão tão grandes?
– Para te ver melhor, minha netinha.
– E por que suas orelhas estão grandes?
– Para te ouvir melhor, bobinha.
– E sua boca, vovó… por que sua boca está tão grande?
– Para devorar você, sua imbecil!
O lobo saltou da cama e as cobertas da vovó voaram pra todo lado. Chapeuzinho largou a cesta e correu à sala, mas n’um pulo o lobo rasgou a capa vermelha e a pele das suas costas com aquelas terríveis garras curvas e sujas.
Só que, quando o monstro estava prestes a abocanhar a cabeça da garotinha, a porta foi escancarada pelo chute de um forte caçador que ouvira a algazarra, e ele não perdeu tempo: matou o lobo com um tiro na testa.

*

Treino literário escrito em 2017

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s