Nota sobre “Phantom”, do Murnau

Lorenz era um sonhador, mas não desses sonhadores visionários que cativam meio mundo de gente e amiúde contribuem para a humanidade, e sim desses avoados escapistas que se contentam mais ou menos com a mesmice do cotidiano e negligenciam aspectos importantes da vida, como o trabalho que os sustenta. O sujeito viajava tanto que acabou se permitindo ser tragado por uma espiral de decadência humilhante após se tornar obcecado por uma mulher. A partir daí, Lorenz foi expulso de terreno alheio como se fosse um vadio pervertido, foi aliciado por um mau-caráter, perdeu a confiança da Tia, que só confiava nele, se afastou das pessoas que o queriam bem, gastou dinheiro com uma dessas mulheres sanguessugas, perdeu o emprego, contribuiu para a morte da mãe – a velha morreu foi de desgosto – e enfim, foi preso.

Lorenz era, portanto, um homem frouxo, sem espinha, que certamente não havia desmoronado antes por misericórdia divina. Depois que sua vida começa a escorrer pelo ralo ele não retoma o controle da situação em nenhum momento, apenas se rebaixa mais e mais.

Este filme merece linhas mais numerosas, maiores e melhores do que as que escrevi acima.

*

Bragança Paulista, 2018

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s