Arte Ensaboada

A situação das artes hoje está tão calamitosa que já vi alunos de artes plásticas expondo sabão na embalagem e chamando aquilo de obra artística. Certa noite, quando ia à faculdade, passei por um corredor onde estavam expostos mimos d’uma turma de artes, e pelo menos cinco estudantes haviam colocado sabão em barra embalado num pedestal. Oras, o exercício era fazer esculturas de sabão, mas esculpir dá trabalho e exige técnica, a beleza não existe e, de qualquer modo, é só viajar na invenção da justificativa, falar uns negócios sem nexo mesmo, tipo “esta obra representa a nossa pureza asfixiada pelos rótulos e artificialismos do capitalismo, o capitalismo não nos permite a individualidade, estamos presos ao consumo em blocos, bláblébló” que fica tudo bem.

E os outros alunos, que pelo menos se deram ao trabalho de tirar o sabão da embalagem? Bom, dois deles expuseram o sabão inteiro – provavelmente com justificativas aos moldes de “Este é meu interior bruto, em todo o potencial, nu perante os julgamentos da sociedade”, ou “Esse sabão demonstra as infinitas possibilidades da arte, pois ele pode atingir qualquer forma… na verdade, todas as obras já estão nele através dos olhos de um apreciador arguto, pois a arte não está nas coisas, está em nós” –, outros tantos fizeram cubos ou esferas; uns dois ou três tentaram esculpir algo que prestasse e teve um maluco que deixou o pedestal vazio, talvez em protesto, como se ali, em cima do pedestal, estivesse todo o talento e inteligência dos seus colegas.

*

Bragança Paulista, 2019

Imagem: Pexels

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s