Segundo Quarteto de Quadras

5

O quarto me oprime…

O ar nele é estagnado;

A casa inteira

Me aperta, vivo sufocado.

6

Fico vendo a rua,

As pessoas passando.

Até chegar a lua,

Fico mandriando.

7

Às vezes nem creio

No quão sortudo sou,

Tenho minha musa

E o mundo não acabou.

8

Entrou um homem de maca.

A equipe da ambulância desdenha.

A pulsação era fraca.

Que Deus Pai o tenha.

*

Bragança Paulista, 2014

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s