Brevidades #59


302

A quarta temporada de “Yamishibai” recupera a qualidade da série original e só tem como pecado, ironicamente, o excesso de sutileza. Alguns episódios são tão sutis que as coisas não ficam suficientemente esclarecidas.


303

Esse negócio de vacina obrigatória contra o corona aqui em São Paulo é uma bizarrice por vários motivos — o que não é surpresa, pois o Brasil é o país das bizarrices.

Caso essa porcaria vingue mesmo, é o seguinte: se faltar a vacina e você for impedido de seguir sua vida, faça todo o alarde do mundo e processe os políticos responsáveis, especialmente o Dória. Se aparecerem efeitos colaterais, faça todo o alarde do mundo e processe os políticos responsáveis, especialmente o Dória. Se mesmo vacinado pegar a forma mais violenta da doença faça todo o alarde do mundo e processe os políticos responsáveis, especialmente o Dória.

304

O “Castlevania” do 64 é um jogo ruim, o negócio foi embalado às pressas e faltaram cuidados com praticamente todos os aspectos do trabalho, todavia ele tem seus bons momentos. A morte de Rosa, vampira que lamenta profundamente seu estado amaldiçoado, é um desses momentos. Reinhardt, um dos protagonistas do jogo, descendente do clã que tem como missão arruinar os planos demoníacos do Drácula, faz as vezes de sacerdote e clama pelo perdão à alma da mulher. O pedido funciona, pois Rosa morre com uma cruz nas mãos, portanto perdoada, limpa dos pecados.


305

Outro bom momento no “Castlevania” do 64 é quando Actrise, megera lacaia do Drácula, diz que matou a própria criança para conseguir os poderes infernais de que dispõe. Não tem pra onde correr, matar criancinha é coisa de servo de capiroto, nunca é algo bom.


306

Davi, meu menino de dois anos, corria pela casa gritando encantamentos, abria gavetas em busca do caos e arrastava cadeiras por diversão, tudo isso enquanto eu tentava trabalhar numa tradução. Aproveitei quando ele se aproximou para depositar outro carrinho na escrivaninha e disse:

— Davi, fica quieto.

Ele parou por um instante, co’aqueles olhinhos de jabuticaba mergulhados em reflexões profundas. Então veio a resposta sincera:


— Não conshigo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s